Como a tecnologia pode ajudar no controle de perdas na indústria de alimentos

12 minutos para ler

O controle de perdas é uma preocupação de empresas de todos os segmentos. Na área alimentícia e de bebidas, isso não é diferente. Afinal, seu bom desempenho e lucratividade dependem da eficiência dos processos adotados em todas as etapas de produção.

É preciso garantir o máximo de aproveitamento de insumos e matéria-prima. Também é fundamental adotar um bom controle de estoque e de qualidade, uma vez que as perdas podem acontecer no armazém e, por causa de erros ou falhas, gerar até mesmo mudanças no processo produtivo.

Mais uma vez, temos a tecnologia como uma grande aliada para evitar as perdas na indústria alimentícia e de bebidas, e é sobre este assunto que falamos neste artigo. Continue lendo e confira os benefícios de manter um bom controle de qualidade e algumas dicas para evitar as perdas.

Quais são os benefícios do controle de qualidade?

Existem diversas razões para fazer um bom controle de qualidade na indústria alimentícia. Uma delas é seguir as regulamentações de órgãos como a ANVISA e o Ministério da Fazenda. Outra, é assegurar a padronização desses produtos para que, lote após lote, eles apresentem as mesmas características físicas, químicas e nutricionais.

Esse processo de controle de qualidade é o que vai garantir, ainda, a segurança dos alimentos produzidos. Afinal, identifica a possível presença de micro-organismos, toxinas, microtoxinas e agentes patológicos, ou seja, cuida da saúde do consumidor.

Além disso, mantém o controle nutricional dos alimentos produzidos, faz a avaliação inclusive de matéria-prima e ingredientes e confere os nutrientes do produto final para que eles atendam à finalidade proposta ou aos critérios de fabricação.

Por fim, não podemos esquecer que é uma forma de fazer o controle de perdas. Isso, porque, acompanhando cada etapa da produção em todos os lotes, mantemos sempre as mesmas características, o que evita erros durante esse processo, que exigiriam descartes.

A criação de programas de qualidade é fundamental para que esse controle seja feito. Por meio deles, conferimos se todos os protocolos de higiene e segurança estão sendo seguidos. E há a possibilidade de identificar falhas e padronizar os processos. A seguir, apresentamos os principais benefícios de adotar essa estratégia.

Aumento da lucratividade

Ao adotar um programa de controle de qualidade, conforme explicamos, os processos de produção, bem como os de análise, são padronizados. É possível adotar a automatização, otimizando as tarefas, de modo que elas sejam eficazes e eficientes.

Com isso, as empresas experimentam um aumento da sua lucratividade. Primeiro, porque a produção se torna menos custosa, já que conseguem fazer mais em menos tempo e com gastos menores. Segundo, porque há um controle de perdas e a redução delas, minimizando erros que levariam a prejuízos.

Satisfação dos clientes

O consumidor quer receber um bom produto, e isso, no setor alimentício, envolve aspectos sensoriais, como a aparência, o cheiro, a textura e o sabor. No entanto, também se relaciona aos ingredientes utilizados e o valor nutricional.

Quando há um bom controle de qualidade, preservamos todas essas características de cada um dos produtos, e o consumidor fica satisfeito com a entrega. Aliás, isso é fundamental, porque não pode haver diferenças de um lote para outro. Considere que o consumidor espera, em uma segunda aquisição, ter o mesmo padrão de produto.

Manutenção da qualidade dos alimentos

Conforme explicamos, o ideal é que o consumidor encontre o mesmo padrão de qualidade em diferentes lotes de um alimento. Isso somente é possível quando fazemos o controle ao longo das etapas de produção.

São as análises contínuas de amostras da matéria-prima e do produto final que permitem acompanhar a rotina, para garantir que haverá continuamente uma manutenção dos padrões. O que assegura as mesmas características entre os lotes e configura a identidade de um item.

Agilidade na produção

A adoção de um bom controle de qualidade leva a uma produtividade maior, já que as etapas são padronizadas. Dessa forma, elas se tornam muito mais ágeis e, ao mesmo tempo, evitamos erros.

A grande vantagem da padronização de processos é fazer com que a linha de produção se torne uma rotina, e todos os protocolos são inseridos nela. Então, basicamente, basta seguir um passo a passo, preestabelecendo como tudo deve acontecer. Driblamos os imprevistos que geram os atrasos e encontramos um melhor caminho para realizar cada tarefa.

Segurança alimentar

Explicamos que, com o controle de qualidade, garantimos a segurança dos alimentos. Logo, evitamos que eles contenham micro-organismos ou partículas que poderiam comprometer a saúde do consumidor. Mas temos ainda outro aspecto, que são as suas informações nutricionais e alergênicas.

Não podemos esquecer que pessoas com alergias alimentares precisam escolher cautelosamente os alimentos que ingerem. O controle de qualidade permite notificar não só a presença de grandes nutrientes, como o glúten, mas também possíveis traços de outros elementos menores que causam alergias, como noz, amendoim, centeio e cevada.

Como evitar perdas na indústria de alimentos?

Garantir o máximo de aproveitamento da matéria-prima, dos insumos e até mesmo do tempo é fundamental para que empresas de todos os setores fiquem longe de prejuízos. Eles poderiam impactar a oferta de produtos no mercado, bem como a lucratividade.

O controle de perdas é fundamental nesse sentido, pois é ele que vai evitar que as falhas no processo de produção inviabilizem as entregas. Possibilita adotar novas estratégias, com o objetivo de aprimorar os processos atualmente realizados.

No caso da indústria de alimentos e bebidas, o controle de perdas vai ainda além dos interesses empresariais. Afinal, estamos falando de produtos diretamente relacionados com a saúde pública. E ainda por uma questão de responsabilidade social e humana, o desperdício de alimentos precisa ser evitado.

O que pode ser feito, então, para alcançar uma eficiência maior nesse setor da indústria, garantido a qualidade e segurança contínua dos alimentos e preservando os interesses das empresas? A seguir, você confere algumas dicas de estratégias e abordagens que podem ser adotadas com esse objetivo.

Criar programas de qualidade

Já falamos a respeito da adoção de um programa de qualidade para fazer o controle dela e evitar perdas na indústria alimentícia. No entanto, é interessante reforçarmos um pouco mais, devido à importância dessa estratégia para o bom desempenho no segmento.

A produção de alimentos precisa seguir rigorosos protocolos e o seu processo produtivo é muito complexo. Existem diversos desafios a serem enfrentados, como a grande diversidade de itens, as características que cada um deles precisa ter, a variabilidade da matéria-prima e a alta suscetibilidade dos produtos.

Ao adotarmos um programa de qualidade, são considerados todos os fatores que podem influenciar a viabilidade dos produtos finais. Ao identificarmos falhas ou práticas que poderiam levar a elas, fazemos o controle de perdas e mantemos a boa produtividade.

Com o programa de qualidade, são estudadas as melhores alternativas de técnicas e tecnologias para que os processos se tornem mais automáticos e otimizados. Em resumo, ele possibilita que as etapas produtivas aconteçam de maneira harmônica, fluida e previsível.

Realizar auditorias

É por meio das auditorias que as empresas recebem selos e certificados que comprovam que elas estão cumprindo normas e protocolos, atuando dentro da legislação imposta para cada segmento. Isso é fundamental para que tenham credibilidade no mercado.

E as auditorias ainda são essenciais ao controle de perdas. Elas ajudam a monitorar o processo de produção e garantir que as diretrizes estabelecidas pelo controle de qualidade estão sendo seguidas.

Podem ser realizadas por auditores internos, profissionais ou empresas externas. Desse modo, detalhes que muitas vezes passam despercebidos são apontados, com a identificação de possíveis erros que podem trazer problemas e prejuízos.

Treinar as equipes

O treinamento é uma etapa indispensável da preparação das equipes, independentemente do setor que atuem dentro da empresa. Todos os profissionais precisam estar bem preparados para seguirem os programas de qualidade e os protocolos.

Mas não somente, pois eles precisam, ainda, estar integrados a respeito de novas técnicas e abordagens que serão adotadas. E na implementação de tecnologias, é fundamental que saibam como explorar esses novos equipamentos que auxiliarão seu trabalho no dia a dia.

Ter máquinas e equipamentos de qualidade

Sobre máquinas e equipamentos, temos dois diferentes aspectos para fazer o controle de perdas. Um deles é com referência ao maquinário utilizado nas etapas de produção. Eles devem trabalhar com precisão para que não tragam prejuízos, como o desperdício de ingredientes.

Além disso, é indispensável que funcionem regularmente, sem falhas e defeitos. Afinal, quando a produção precisa ser interrompida para realizar correções e ajustes há um atraso, que prejudica a produtividade.

O segundo aspecto é sobre as máquinas e os equipamentos utilizados para fazer o controle de qualidade. Suas análises devem ser muito precisas e, para isso, é fundamental que tenham uma alta sensibilidade. Os investimentos nesse sentido são fundamentais, porque erros ao analisar as amostras podem levar à perda de lotes inteiros.

Fazer a manutenção do maquinário

No item anterior, citamos a manutenção do maquinário como sendo indispensável porque, com ela, evitamos os defeitos que interrompem a produção. É importante atuar de uma forma preventiva com o planejamento dessas manutenções periodicamente.

Assim, é possível agendar o serviço para os momentos mais oportunos, justamente com o objetivo de não interromper a rotina da fábrica. E ainda prolongamos a vida útil dos maquinários, evitando os desgastes precoces em decorrência da sobrecarga de uso.

E há outro fator que demonstra a importância da manutenção. É a questão da limpeza das máquinas e da sua higienização, algo que é indispensável para garantir a qualidade dos alimentos produzidos.

Quando as máquinas não passam por um bom processo de assepsia, há um risco aumentado de contaminação. Ela acontece, por exemplo, em função do acúmulo de resíduos, que se deterioram e proliferam micro-organismos que vão atingir os itens produzidos em seguida.

Mais um motivo para ter total atenção com as manutenções periódicas é o controle de perdas do próprio maquinário. É menos custoso realizar esse serviço do que fazer a substituição de uma peça ou do equipamento inteiro.

Como ter a Pensalab como fornecedor pode ajudar?

O termo indústria 4.0 tem sido muito abordado atualmente. Ele visa incorporar diferentes tecnologias para que o processo produtivo de todos os segmentos ganhe em automação, sustentabilidade e redução de custos.

Dessa forma, há uma eficiência maior com uma economia de recursos, o que possibilita fazer mais em menos tempo. Profissionais, máquinas e processos são integrados e, assim, a produtividade aumenta sem perda de qualidade das entregas finais.

Para chegar a esse objetivo, é preciso, então, adotar recursos tecnológicos. Uma das formas de fazer isso na indústria de alimentos e bebidas é com equipamentos que permitem fazer uma análise precisa de amostras.

A Pensalab é uma grande fornecedora de tecnologias também para a indústria alimentícia. São soluções, por exemplo, que permitem determinar o nitrogênio, as proteínas e as gorduras de uma amostra. Assim, é possível fazer uma qualificação rápida da matéria-prima, para assegurar que ela tem as características desejadas.

Outra vantagem que a Pensalab oferece é a garantia da obtenção de laudos dos produtos finais. Desse modo, é possível fazer uma análise minuciosa deles, com o objetivo de conhecer suas características físicas, químicas e valores nutricionais. Além de conferir se os parâmetros estão dentro das exigências da categoria.

Entre as ofertas do catálogo da Pensalab, está o Analisador de Proteínas e Nitrogênio, que utiliza o método Dumas para fazer a análise de amostras sólidas ou líquidas.

Outra opção interessante é o Destilador de Proteínas e Nitrogênio, que trabalha com o método convencional Kjeldahl em um sistema de análise rápido, preciso e eficaz.

Já o Sistema Extrator Automático Gerhardt determina os teores de gorduras e óleos, comportando até 24 amostras. Atua de forma totalmente automatizada.

A tecnologia precisa estar presente nos processos de produção e análise da indústria alimentícia, devido ao alto grau de precisão que ela confere. Além disso, conforme explicamos, realiza as ações automáticas, minimizando intervenções humanas, e isso pode ser contínuo, potencializando a eficiência do método.

O controle de perdas e qualidade na indústria de alimentos deve ser uma das prioridades, pelo grande impacto que isso traz ao produto final. Quando você conta com a Pensalab como parceira, atividades desse tipo são feitas com tecnologia de ponta, gerando maior confiabilidade e segurança nos resultados.

Saiba mais sobre as soluções oferecidas pela Pensalab. Entre em contato e converse com um dos nossos consultores!

Posts relacionados

Deixe um comentário